A MINHA GRAÇA TE BASTA

“A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” – 2 Co 12:8

Paulo utiliza uma expressão muito interessante na Segunda Carta a Igreja de Coríntios, capitulo 12, verso 07, quando ele diz: “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de que não me exalte”.

Vejo neste texto, o Apostolo Paulo utilizando-se de uma expressão muito contumaz para demonstrar o quanto somos inclinados a nos aproximarmos dos holofotes e a não querermos sair debaixo dele. Somos naturalmente inclinados a exaltar nossos feitos, a raiz adâmica, o pecado que jaz em nós nos leva a uma inclinação natural para a exaltação própria e a ficar debaixo dos holofotes.

Ao fazer uma breve pesquisa, podemos encontrar algumas informações sobre o Apostolo Paulo: “O Apóstolo Paulo foi uma das maiores referências do cristianismo que já existiu, Paulo foi um Apóstolo que não foi discípulo de Jesus, mais foi o Apóstolo que mais escreveu Livros na Bíblia. A literatura paulina é formada por cartas que o apóstolos dos gentios escreveu, às comunidades que ele visitou em suas 3 viagens. Ele escreveu 13 cartas, que se encontram no Novo Testamento, logo após os Atos dos Apóstolos. São elas: Romanos, Primeira aos Coríntios, Segunda aos Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, Primeira aos Tessalonicenses, Segunda aos Tessalonicenses, Primeira a Timóteo, Segundo a Timóteo, Tito, Filêmon.”

Dois mil anos depois, reconhecemos sua importância e relevância para o cristianismo. E dois mil anos antes o Apostolo Paulo reconhece sua pequenez e total dependência de Deus. Pois na continuidade do texto da 2ª Carta aos Coríntios 12:8 ele escreve: “A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

A partir desta perspectiva podemos perceber na vida do Apostolo Paulo uma realidade e percepção espiritual que devemos, a cada dia, cultivar em nossas vidas. Há evidencias claras de uma vida com devoção e disciplina espiritual para poder conviver com uma grande dificuldade, algo que chega a rogar a Deus por 3 vezes para que ele fosse liberto, mas ao final entende que a Graça de Deus é maior que qualquer situação que podemos vivenciar.

O escrito cristão Richard J. Foster, no livro que tem por título “Celebração da Disciplina – O caminho do crescimento Espiritual”, trata alguns assuntos que nos auxiliam no crescimento espiritual, ele divide as disciplinas em: “Disciplinas Interiores: Meditação, Oração, Jejum, Estudo. Disciplinas Exteriores: Simplicidade, Solitude, Submissão, Serviço. Disciplinas Associadas: Confissão, Adoração, Orientação, Celebração.”

Nesta direção, para vencermos no dia a dia o espinho na carne e vivermos a completa dependência da Graça de Deus, as disciplinas espirituais nos auxiliam nesta jornada de vida e de fé. Pois a Graça do Senhor nos basta.